Histórias que a ditadura militar brasileira ainda esconde

Perseguição, tortura, desaparecimento, morte. Estes são alguns dos crimes cometidos pelos agentes da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985). Desde seu fim, quem luta pelos direitos humanos busca pela verdade, pela memória, pela responsabilização das instituições e dos violadores de direitos.

Muitas vítimas da ditadura tiveram suas histórias documentadas e contadas por pesquisas acadêmicas, pela literatura e pelas artes. No entanto, ainda há pouquíssimas referências sobre as histórias de pessoas comuns, cidadãs e cidadãos, que tiveram suas vidas afetadas direta ou indiretamente pelos crimes da repressão.

Para saber como e quando parte da população percebia a presença da ditadura em seu dia a dia, o Instituto Vladimir Herzog (IVH) e o Museu da Pessoa e lançaram o projeto Cotidianos Invisíveis da Ditadura. Baseados na metodologia da história oral, pesquisamos e entrevistamos 15 homens e mulheres cujos ricos relatos mantém viva a memória de nosso país. Elas e eles compartilharam conosco experiências vividas na São Paulo daquele período ditatorial, falando sobre migração, família, política, educação, arte, cultura, trabalho, economia e suas lutas periféricas. Em breve, todos os relatos serão publicados integralmente nos canais digitais do Instituto.

O Museu da Pessoa e o Instituto Vladimir Herzog acreditam que toda história faz diferença e toda história merece ser ouvida. Registrar e divulgar essa dimensão da ditadura é agir contra o autoritarismo presente e pavimentar caminhos para o futuro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s