“O Último Paciente”: Pandemia é cenário do quinto romance da escritora Lucilene Manhães

Quando a pandemia de covid-19 começou, a escritora carioca Lucilene Manhães foi imediatamente atravessada por aqueles novos acontecimentos. Impactada com todas as mudanças que o período trouxe, alguns meses depois, veio a inspiração para o seu quinto livro, “O Último Paciente” (Editora Ixtlan, 146 páginas, R$15,72 na Amazon), que será lançado oficialmente no dia 28 de abril, quinta-feira, às 20h30, com uma live no Instagram da autora (instagram.com/lucilene.manhaes), que vai debater a obra com a produtora Doinha Prata (instagram.com/doinhaprata).

“O Último Paciente” faz um mergulho nos acontecimentos da pandemia para criar uma história de ficção com tons de realidade. A trama é dividida em duas partes. Na primeira, o leitor é apresentado a uma família da Zona Norte do Rio de Janeiro, que ainda não sabe, mas terá seu cotidiano impactado pela pandemia. Já na segunda parte, o leitor conhece a história da pneumologista Marina Morena, médica que trabalha na linha de frente e responsável por uma ala de pacientes entubados de um hospital de campanha no Rio de Janeiro. Marina é profundamente impactada pela pandemia, que muda suas relações familiares e ainda traz um novo conflito para a sua vida: um paciente abandonado. Aos poucos, ela se envolve com ele e a relação vai trazendo motivação para que ela continue a luta pela sua própria vida e pela vida dos pacientes.

A pandemia é o foco dos acontecimentos, mas Lucilene Manhães, que sempre teve o sonho de ser médica, não se apega à tragédia. A esperança, a fé, o amor e a superação dos personagens são o foco, propondo uma narrativa positiva e otimista.

“Muita emoção e conflitos humanos marcam o romance, levando o leitor a refletir sobre culpas, paixões e solidariedade. Até que ponto estamos dispostos a adiar planos futuros, a sacrificar carreiras sonhadas por nossos pais, para viver a vida que desejamos e experimentar a transformadora força do amor, tal qual ela se apresenta?”, conta a autora, revelando que a médica acaba se envolvendo com o paciente na trama.

“O Último Paciente” também é uma homenagem aos cientistas, médicos e profissionais da saúde que atuaram na linha de frente, e que, se reconhecerão nos fatos narrados:

“A história tem, sim, momentos difíceis, pois traz um pouco do que todos viveram nesse período: perdas, mudanças, alterações nas rotinas familiares, como os médicos que tiveram que se afastar de suas famílias. Mas ela é, acima de tudo, uma homenagem às pessoas que superaram seus limites e lutaram bravamente por seus pacientes. Aos cientistas que não mediram esforços e em tempo recorde, desenvolveram inúmeras vacinas. Aos que ajudaram os necessitados repartindo o pão. Aos que, por amor, se cuidaram e se distanciaram para proteger a família”, revela a autora, que também é membro da Academia Internacional de Literatura Brasileira.

“O coronavírus resgatou a importância de se fazer presente e mostrou que bastava sermos impedidos de nos tocar, para que trocássemos qualquer coisa por um abraço”

(trecho do livro “O Último Paciente”)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s