Wearables são tendência para 2022, mas medir calorias por apps por ter efeito inverso

A pandemia mudou a forma como muita gente se exercita. Com o suporte dos dispositivos wearables (as tecnologias vestíveis), o retorno às academias deve continuar sendo adiado. É o que indica a lista de tendências fitness para 2022 apurada pelo Colégio norte-americano de Medicina Esportiva (ACSM, na sigla em inglês).

De acordo com ranqueamento, as tecnologias vestíveis, academias em casa e exercícios ao ar livre estão no topo da lista de quem pretende praticar atividade física esse ano. Contudo, a nutricionista clínica e esportiva Maíra Azevedo alerta que a alimentação adequada é parte de uma rotina de hábitos saudáveis e que acompanhar o gasto calórico por aplicativos pode ter efeitos contrários.

Dieta e exercício sem supervisão, pode?

Na verdade, especialistas explicam que o acompanhamento de um profissional de educação física não se limita a ajudar a definir os melhores exercícios para cada biotipo e objetivo. Ele também é responsável por orientar durante a realização, corrigindo execuções inadequadas e reduzindo o risco de acidentes e danos a articulações como as da mão, por exemplo.

No entanto, na ausência dessa figura, a prática de atividade física por conta própria ainda é melhor do que o sedentarismo. Até certo ponto, o mesmo pode ser dito da alimentação. Embora regras básicas como optar pelo maior consumo de produtos naturais como legumes, verduras, folhagens e frutas sejam válidas, o acompanhamento profissional é importante para garantir que todos os nutrientes estejam presentes em quantidades adequadas.

Como explica a nutricionista Maíra Azevedo, mesmo que seja possível definir um padrão de grupos alimentares que devem fazer parte tanto do pré como do pós-treino ou da alimentação em geral, se pautar por dietas genéricas pode não ter efeito ou até trazer prejuízos para a saúde.

“As dietas de internet são dietas gerais, que não respeitam a individualidade. Sendo assim, a chance de a pessoa não conseguir ter constância e desistir ou de provocar alguma carência e deficiência de vitaminas e minerais é muito grande. Por isso, a dieta sempre precisa ser feita com o auxílio de uma nutricionista assim como o treino precisa ser feito com o auxílio de um profissional de educação física para não ter o risco de lesão”, completa.

Contando calorias

Outro fator importante diante da tendência crescendo no uso do smartwatch como companheiro de exercícios está na ilusão de controle sobre alimentos e suas quantidades. A nutricionista reforça que os dados exibidos pelo dispositivo nem sempre são suficientes para determinar o que cabe no consumo diário da pessoa. Com isso, o balanço entre queima e ingestão pode ficar comprometido.

“Essa questão de gasto e consumo é muito complexa. O fato de a pessoa fazer exercícios e gastar, por exemplo, 500 calorias, não significa que ela tem 500 calorias a mais para comer na alimentação. A queima de gordura vai muito além do fator “perda de calorias no exercício físico”. Então, às vezes, o fato de a pessoa ficar monitorando pelo smartwatch contribui para esse pensamento que acaba mais atrapalhando do que ajudando”, finaliza.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s