TCE determina que governo regulamente distribuição de cestas básicas para garantir qualidade dos alimentos

O conselheiro Saulo Mesquita, do Tribunal de Contas do Estado de Goiás (TCE-GO), determinou que a Secretaria de Desenvolvimento Social (SEDS) regulamente, no prazo de 60 dias, a atividade de distribuição de cestas básicas pelo governo Ronaldo Caiado (DEM), mediante edição de atos normativos que estabeleçam critérios objetivos de definição da população a ser atendida. A medida é resultado das inspeções realizadas no programa do Governo de Goiás para distribuição de cestas básicas a famílias carentes, durante a pandemia. O foco foi o contrato firmado entre a SEDS e a empresa vencedora da licitação, no valor de R$ 21 milhões para fornecimento de 250 mil cestas básicas.

As cestas foram adquiridas por R$ 84, quando a estimativa inicial era de R$ 93,10, o que caracterizou a compra como economicamente vantajosa. A unidade técnica do TCE registrou, no entanto, que cinco itens não corresponderam aos padrões de marcas referidas no contrato. Contudo, não foi possível aferir se eram semelhantes às marcas indicadas no contrato (arroz, feijão, biscoito e achocolatado em pó). Também foi apontada fragilidade na prestação de contas e falta de critérios específicos para a distribuição aos beneficiários finais.

Em seu voto, o conselheiro Saulo Mesquita anotou que o contrato original está em fase de aditivação para a compra de mais 62.500 cestas no valor de R$ 5,25 milhões. Sobre a qualidade das marcas asseverou que, sem a realização de perícia conclusiva não há como estabelecer a compatibilidade ou não das mesmas, o que não afasta a necessidade da gestão pública exigir do fornecedor a comprovação de equivalência qualitativa entre as mesmas.

O Relator considerou evidente que a SEDS e a Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) não padronizaram o tipo de documento utilizado como termo de compromisso de distribuição de cestas. Contudo reconheceu, a exemplo da Unidade Técnica, as dificuldades e a urgência decorrentes da pandemia para o rápido atendimento às famílias necessitadas. Entende, por outro lado, que a pressa não leva a gestão a dispensar os princípios da legalidade e da impessoalidade, de forma que os procedimentos devem ser aprimorados para evitar desvios e que pessoas não necessitadas recebam as cestas em lugar de outras que realmente precisam.

O TCE expediu três determinações aos órgãos responsáveis, com vistas a assegurar o controle e a eficiência das ações, desde a aquisição dos alimentos, passando por critérios de escolha da clientela a ser atendida e até sua entrega aos beneficiários.

Na hipótese de repasse de cestas a municípios e outros entes, dar conhecimento aos gestores responsáveis quanto aos critérios constantes da regulamentação, exigindo a oportuna prestação de contas. Quanto aos editais e futuros contratos semelhantes, a SEDS deverá estabelecer a obrigação do contratado quanto à comprovação de qualidade das marcas oferecidas em sua proposta comercial e efetivamente entregues, em compatibilidade com o padrão de marcas de referência contidas no edital, inclusive por meio de exames laboratoriais de qualidade dos alimentos, em conformidade com as normas do órgão de vigilância sanitária competente. E, por último, a determinação para o encaminhamento ao TCE-GO da regulamentação determinada nesse processo, no prazo de 10 dias após o prazo dado para sua edição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s