Goiás é o estado que mais utilizou empréstimo Peer-to-Peer em julho

A modalidade Peer To Peer Lending parece obter cada vez mais adeptos no ecossistema financeiro do país. Segundo dados desenvolvidos pela Ulend, fintech de crédito privado, o crescimento da modalidade atingiu o patamar de 25,3 milhões de reais durante o primeiro semestre de 2021. Quando comparado ao mesmo período, o número apresentado foi de 9,8 milhões de reais, evidenciando um crescimento de 156%.

Este crescimento é seguido pelo aumento da desbancarização por parte das empresas, a busca por alternativas menos burocráticas e mais flexíveis, e também pela necessidade de fluxo de caixa das empresas, para que consigam se manter no mercado tão atingido pela pandemia do COVID-19.

Os segmentos que mais utilizaram os serviços da companhia em 2021 foram, respectivamente: comércio atacadista voltado à insumos agrícolas e produtos alimentícios, atividade médica, transporte rodoviário, educação superior e restaurantes. Vale ressaltar que em 2020, com impacto do início da pandemia, os serviços de construção de edifícios, comércio varejista de produtos alimentícios e atividade médica se destacaram, isso pode ser explicado pela mudança na demanda do comércio devido o início da pandemia, e consequentemente a necessidade maior de crédito para conseguir atender o mercado.

Segundo Gabriel Nascimento, co-fundador da Ulend, a modalidade permite fechar um ciclo perfeito para o mercado financeiro. “Com a nossa forma de negócio, conseguimos remunerar o investidor em até 22% a.a. Além disso, para a companhia que recebe o dinheiro, o empréstimo pode auxiliar com a folha de pagamentos, novas contratações e aquisição de equipamentos”, aponta Nascimento.

Outro dado importante que a pesquisa elucida é sobre quais estados mais utilizam esta modalidade de empréstimo no mês de julho. O primeiro em volume de operações é Goiás com o valor de 650 mil reais, contando com diversos segmentos presentes. O estado de São Paulo aparece na segunda posição com 378 mil reais, seguido por Pará, Paraná e Pernambuco.

“Nós realizamos um estudo e fizemos avaliação para a captação de recursos para as empresas. Para obter o crédito, a companhia deve seguir os requisitos de possuir um CNPJ ativo por 3 anos, faturamento anual superior a 1.5 milhão de reais e não possuir nenhum restritivo em nome da organização”, finaliza Gabriel Nascimento, co-fundador da companhia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s