Nova espécie de planta do Cerrado é descoberta em reserva particular em Goiás

Uma nova espécie de planta foi descoberta no Legado Verdes do Cerrado, área de 32 mil hectares da CBA – Companhia Brasileira de Alumínio, localizada em Niquelândia-GO, que constitui uma Reserva Particular de Desenvolvimento Sustentável (RPDS), com missão de conservar a biodiversidade, desenvolver atividades da nova economia e contribuir para a realização de pesquisas científicas.  

Pesquisadores que realizam inventário da flora e da vegetação da Reserva, com aproximadamente 80% da área composta por cerrado nativo, fizeram a descrição da nova espécie que foi denominada cientificamente como Erythroxylum niquelandense, em homenagem ao município de Niquelândia/GO, onde foi encontrada. A planta é morfologicamente semelhante a outras do mesmo gênero que são identificados popularmente como pimentinha-do-mato. 

A nova espécie foi descrita e ilustrada em trabalho publicado pelos pesquisadores Marcos José da Silva e Maria Iracema Bezerra Loiola em janeiro de 2021, na revista científica Phytotaxa Magnolia Press, Auckland, New Zealand. O documento apresentou a classificação biológica, períodos de floração e frutificação, distribuição geográfica e avaliação da conservação, bem como imagens representativas e um mapa de distribuição da Erythroxylum niquelandense.

Segundo o pesquisador Marcos José da Silva, do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Goiás (UFG), as plantas desse gênero têm propriedades muito utilizadas na medicina em medicamentos para o tratamento de doenças como câncer e aids, o que caracteriza a importância social da descoberta. “Por seu aspecto, é um gênero fácil de ser reconhecido. Tem folhas simples e frutos vermelhos. É um gênero de plantas muito difundido nas Américas” explicou o pesquisador. 

Identificação

A espécie foi coletada pela primeira vez em 2019 e foram localizadas duas áreas com maior incidência da planta no Legado Verdes do Cerrado. Conforme informa Marcos José, ela está associada à floresta seca e chamou atenção dos pesquisadores porque o gênero geralmente tem plantas arbóreas, enquanto a Erythroxylum niquelandense é um arbusto. 

Desde então, os cientistas fizeram uma série de investigações em laboratório, com consulta à literatura especializada, busca de informações sobre o grupo botânico ao qual a planta pertence, além de análises em laboratório para precisar as características vegetativas da nova espécie.

“Além da importância botânica, essa descoberta mostra o quanto o Cerrado como um todo ainda é pouco explorado. O Legado Verdes do Cerrado, com sua área protegida, tem grande biodiversidade de animais e plantas, de forma que nossas coletas podem revelar novas espécies. Assim como a Erythroxylum niquelandense, devem existir muitas outras e, para revelar essas riquezas, precisamos de apoio de instituições de pesquisa e empresas como a CBA e a Reservas Votorantim”, ressaltou o pesquisador Marcos José da Silva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s